terça-feira, 5 de abril de 2011

MALTA




MALTA


Já sabíamos que a chegada em Malta seria imperdível, pelass informações do Jornal de Bordo (Today). Depois do café fomos para o deck superior do navio e de lá. Por volta das 9:30h começamos a avistar algumas ilhas povoadas. Parece, que todas pertencem à Malta. Ficamos do alto, vendo o mar de azul intenso povoado de pequenos barquinhos e lanchas. O dia muito claro e o sol forte prepararam o cenário perfeito para a chegada ao Porto de La Valleta.

Malta , Gozo e Comino são as ilhas habitadas do arquipélago e possuem juntas, 400 mil habitantes.

A história de Malta é longa e começa na idade Idade Pedra. Em 800 a.C chegaram os Fenícios.

A biblia relata a chegada de São Paulo à Malta o naufrágio de que foi vítima. Os Romanos e Bizantinos, os árabes e turcos (otomanos), os franceses, espanhóis e ingleses também fizeram história nessa ilha. Napoleão se apoderou de Malta em 1798, mais tarde foram os ingleses e, só recentement,  em 1964, Malta conquista, definitivamente sua independência.

Na Idade Média , Los Caballeros de La Orden de San Juan receberam Malta de presente do Imperador Carlos V com a missão de defendê -la dos piratas e invasores. Os Cavaleiros Templários e a Cruz de Malta aparecem em todos os souvenirs vendidos em La Valleta. falam o inglês e o Maltês, lingua com forte influência árabe.

A visita foi uma corrida contra o tempo. A cidade é hipnótica, amarelada, parece saída dos contos dos tempos dos cavaleiros andantes. Ruas estreitas levam à parte alta da cidade. As poderosas muralhas, ainda bem conservadas, circundam toda a cidade. São castelos, igrejas, campanários, museus, castelos, prédios de idade inimaginável.

A Co-Catedral de San Juan data de 1573. Nào sei precisar o estilo, mas a opulência remete ao barroco. Será???? . O piso tem aproximadamente 400 sepulturas dos Cavaleiros do Ordem e são feitas em mosaicos de mármore muito colorido ricamente trabalhados retratando a morte, o sofrimento e as lutas. Só há duas dessas lápides iguais. Nunca vi nada parecido. Os grandes quadros que ornam o interior do templo têm pesadas molduras douradas, o teto, colunas , púlpito, balcões e tudo que há ali dentro é grandioso e impressionante. Afrescos de grandes mestres, imagens e castiçais ricamente ornados em ouro enchem o ambiente de uma solenidade incrível. Gostaria que omeu sobrinho e amigo Rodrigo estivesse aqui para nos dar uma aula sobre tudo que vimos ali.

No Oratório duas grandes obras de Caravaggio e algumas de seus discípulos. A Decapitação de São João, que é um imenso quadro de 5,20m X 3,61m, onde luz e sombra nos dão a certeza da genialidade desse grande artista.

O Museu que está instalado no Palácio dos Grandes Mestres nos leva à Idade Média, com armaduras de todos os tipos, grandes lustres de cristal da Boêmia, escadarias de mármore, salões enormes ricamente decorados com pesados móveis recobertos de ouro... É muita coisa, é muita história pra tão pouco tempo.

Jardins lindíssimos enfeitam as praças. Flores belíssimas, grandes monumentos, paisagem de tirar o fôlego.

Os pés doendo, o cansaço invadindo o corpo, ao calor, a fome e o desconforto... Tudo valeu a pena!

As fotos vão dar uma pálida idéia da experiência de visitarmos esse país, até então desconhecido por mim.

Faça uma viagem virtual a partir desse site de viagens. Ótimas fotos, ótimas informações.

http://interata.squarespace.com/jornal-de-viagem/2006/8/18/malta-a-desconhecida-do-mediterraneo.html

Esse post vai para o Rodrigo, que devia estar aqui para nos dar uma aula preciosa sobre a catedral.

2 comentários:

Mírian disse...

JU, estou acompanhando sua viagem. sinto que estou viajando também. Beijos. Mírian

Anônimo disse...

Ju, estou aprendendo história e geografia no seu blog, capricha aí na Itália hein :) Beijo, Rê - só consigo postar anônimo...